segunda-feira, 31 de março de 2008

LISTA ZERO - Contra o comércio de animais silvestres

Reproduzo a mensagem abaixo pra divulgar, e quem sabe de alguma forma ajudar a proteger os animais silvestres- não só no estado de Minas Gerais, mas no Brasil inteiro. Recebi o texto da Flavia, cujo professor de Anatomia trabalha especificamente com animais silvestres e vê diariamente como esses animais sofrem.

Como a Flavia disse, a situação desses animais, mesmo os legalizados, é muito triste e induz cada vez mais ao desrespeito aos animais, porque as pessoas continuam achando, pelo fato da coisa ser legalizada, que esses animais são bibelôs. A maioria se encanta mais por mamíferos, mas quem estuda os pássaros, sabe que eles são tão inteligentes e psicologicamente tão vulneráveis, que não há mais condições de se criar passarinhos ou psitacídeos em casa.

Por favor, não compre animais silvestres. Se possível não participe de nenhum tipo de comércio de animais. Nem mesmo de cães, gatos, peixinhos e iguanas daquela Pet Shop perto da sua casa. Se você adora animais, adote-os. Os abrigos estão cheios de animais que precisam desesperadamente de um teto, de comida e de carinho.

Logo abaixo, em negrito, está o endereço de email pra onde você pode enviar uma mensagem pedindo ao IBAMA que não legalize o comércio de animais silvestres. O professor Tarcízio, autor do texto que segue, explica os argumentos específicos que você pode incluir na sua mensagem. Eles são bem técnicos e você não precisa usar todos- mas é preciso que use pelo menos um ou dois - por causa de outro órgão, o CONAMA - e lendo o texto do professor você vai entender o porquê.

Por favor, perca 5 minutos do seu tempo lendo o texto abaixo e mande um email para fauna.sede@ibama.gov.br

Envie também essa mensagem pra quem você achar que pode ajudar.

Faça isso pelos animais do Brasil.


-----

Caros amigos,

Estamos, embora com poucas esperanças de sucesso, com uma oportunidade única de manifestação quanto a uma lista de animais silvestres a serem permitidos como animais de estimação pelo IBAMA.

Um forte lobby vem há muito sendo feito para a liberação da criação com finalidade Pet de um sem número de animais, e há muitos anos convivemos com uma realidade no mínimo aviltante, com verdadeiros bandidos banalizando a nossa fauna em nome de criações amadorísticas principalmente de aves, onde no mínimo uma forte conivência com o tráfico é comum a todos os criadores.

A fachada de legalidade que o próprio IBAMA cria com a permissão de criação destes animais é uma das causas do tráfico de animais em nosso meio. Nenhuma fiscalização é eficiente ou suficiente para a ardileza dos traficantes. Uma quantidade altamente significativa de animais irregulares é encaminhada ao nosso Centro de Triagem em Viçosa e é no mínimo revoltante as situações a que nossos animais são submetidos em prol de um "hobby".

Dados minimalistas sugerem a morte de 90% de aves nativas durante as diferentes etapas do tráfico!! Muitos de nós somos coniventes se não partícipes deste tráfico. Animais domésticos têm no mínimo 10 mil anos de melhoramento genético para o convívio com a espécie humana. Há pelo menos 400 raças distintas de cães, nenhuma de ocorrência natural, algumas totalmente dependentes e dedicadas a nós. Por quê preteri-los em relação a espécies não adaptadas e com tão pouca interação, como um iguana por exemplo?

Estou particularmente imbuído na campanha pela lista "ZERO" e procuro parceiros para juntos fazermos uma pressão neste sentido. A lista do IBAMA consta de 54 animais, sendo três répteis e o restante aves, de passeriformes a psitacídeos. Basta-nos o envio de uma mensagem eletrônica para fauna.sede@ibama.gov.br para participar. Porém a resolução do CONAMA, que regulamentará esta lista, prevê a inclusão ou exclusão de espécies com base nos critérios abaixo e só serão aceitos argumentos relacionados.

Assim, tomei a liberdade de sugerir algumas argumentações que poderiam ser usadas na campanha "Lista Zero". Basta copiar e enviar, ou acrescente argumentações que julgar pertinente. Envie também para outras pessoas de seu meio para que possamos ter uma massa crítica significativa.

Critérios da resolução número 394 de 06 de novembro de 2007.

I- Significativo potencial de invasão dos ecossistemas fora de sua área de distribuição geográfica original

II- Histórico de invasão e dispersão em ecossistemas no Brasil ou em outros países

III- Significativo potencial de risco a saúde humana

IV- Significativo potencial de risco à saúde animal ou ao equilíbrio das populações naturais

V- Possibilidade de introdução de agentes biológicos com significativo potencial de causar prejuízos de qualquer natureza

VI- Risco de os espécimes serem abandonados ou de fuga

VII- Possibilidade de identificação individual e definitiva

VIII- Conhecimento quanto à biologia, sistemática, taxonomia e zoogeografia da espécie

IX- Condição de bem-estar e adaptabilidade da espécie para a situação de cativeiro como animal de estimação.

Argumentos para a LISTA ZERO:

Sou a favor da Lista Zero de animais silvestres para criação como animais de estimação baseado nos seguintes pontos:


Quanto aos critérios: significativo potencial de invasão de ecossistemas fora de sua área de distribuição e o histórico de invasão e dispersão em ecossistemas no Brasil ou em outros países, todas as aves e répteis são potencialmente espécies invasoras.

Como
exemplo é possível a observação de invasões como a do periquitão maracanã (Aratinga leucophtalmus) dentro de áreas urbanas na zona da mata mineira, onde estes animais se transformaram em animais sinantrópicos, invadindo forros de casas para a construção de seus ninhos, transformando-se em praga.

Cito exemplos de outros países como no estado da Flórida, nos EUA, onde há uma invasão de iguanas e psitacídeos exóticos em parques e áreas urbanas, o que pode se repetir facilmente em regiões nacionais.


Quanto ao significativo potencial de risco à saúde humana e ainda o significativo potencial de risco à saúde animal ou ao equilíbrio das populações naturais: classicamente a salmonelose é sempre relacionada aos répteis e aves de cativeiro. Estes animais podem apresentar ainda agentes patogênicos zoonóticos como endoparasitas do gênero Cryptosporidium ssp, Spirometra europeae, Spirometra mansonoides, Alaria americana, etc. A criptosporidiose, causada por Cryptosporidium parvum, é reconhecida mundialmente como uma zoonose emergente, causando diarréia aguda em seres humanos imunocompetentes ou enfermidade fatal em indivíduos imunocomprometidos ou imunosuprimidos, como portadores de HIV.
Artrópodes da classe Pentastomida são endoparasitas invertebrados na sua forma adulta, habitando os pulmões dos répteis e aves, e várias notificações têm ocorrido em humanos.

Quanto ao risco de os espécimes serem abandonados ou de fuga, é um risco potencial em qualquer criação em especial de passeriformes de baixo valor comercial e aliado à impossibilidade de identificação individual e definitiva e ao desconhecimento quanto à biologia, sistemática, taxonomia e zoogeografia da maioria das espécies. Permite também a hibridização com animais locais gerando subespécies, decretando o desaparecimento de espécies estabelecidas.


Por fim, devido às parcas condições de bem-estar e inadaptabilidade das diferentes espécies para a situação de cativeiro, é no mínimo incoerente afirmar que condições de gaiolas minúsculas poderiam suprir as necessidades ambientais de aves silvestres.
Animais sociais, como psitacídeos, acabam por absorver condições comportamentais humanas específicas de seus proprietários, e devido a sua grande longevidade é extremamente comum abandonos ou transferências de "donos", o que gera traumas que não raramente levam a automutilação e mortes.

Desta forma, os incisos do artigo 4º da resolução 394 do Conselho Nacional de Meio Ambiente fornecem todos os subsídios para que não haja nenhuma espécie de animal silvestre que possa servir de animal de estimação, uma vez que não há uma única espécie que não se enquadre em vários incisos desse artigo.


Tarcízio A R Paula

domingo, 30 de março de 2008

Sanduichinhos de pepino e cream "cheese"

Achei essa receita por acaso no blog Tiger the Lion, que por sua vez tinha achado a receita num blog que eu adoro, o VeganYumYum. É tão fácil, mas tão fácil, que é uma coisa ridícula. Quer ver só?

Ingredientes: 2 fatias de pão integral; 1 pepino fresco de tamanho médio; tofutti cream cheese; sal e pimenta; folhinhas de erva de sua preferência- eu usei sálvia fresca e ela complementou o sabor e o aroma deliciosos do pepino tão bem. Casou direitinho.

Espalhe tofutti cream cheese por cima de cada fatia de pão. Com um descascador de batatas, descasque o pepino (previamente limpo) em fatias longas - de ponta a ponta - e bem fininhas, e disponha-as uma a uma, de maneira transversal em cima de cada fatia de pão. Então, com uma faca bem afiada, apare todas as pontas do pão, incluindo a casca, de modo que o formato final da fatia fique bem quadrado. Por fim, corte-a na metade em dois triângulos. Polvilhe sal e pimenta por cima e finalize com a folhinha de sálvia.

Se a minha explicação ficou confusa, clique nesse link do blog VeganYumYum. As fotos mostram o passo-a-passo dessa receita e fica mais fácil entender. E o resultado fica uma graça, não?!

Bom domingão!

sábado, 29 de março de 2008

Earth Hour

É hoje à noite o evento criado pra mostrar que cada um de nós, todo mundo junto, pode ter um impacto positivo na mudança climática desse planeta. E não importa onde você esteja ou more.

A idéia inicial foi da organização WWF na Austrália, ano passado. O movimento Earth Hour cresceu e agora é mundial. Hoje, milhões de pessoas em aproximadamente 200 cidades do mundo vão participar. Aqui nos EUA, mais de 35 cidades, incluindo Atlanta, Chicago, Phoenix e São Francisco.

O intuito é que todos nós, juntos, tentemos colaborar com ações práticas pra reduzir nossa emissão de carbono no planeta.

Earth Hour: Hoje, 29 de março de 2008, das 8 às 9 da noite.


As cidades, ou pessoas, que quiserem participar hoje à noite, irão simplesmente desligar as luzes de seu estabelecimento comercial ou casa durante 1 hora e mostrar que estão comprometidas em ajudar a encontrar soluções para as mudanças climáticas do planeta.

Participe!! Às 8 da noite, onde quer que você esteja no mundo, desligue todas as luzes da sua casa, do seu escritório ou de onde quer que você esteja.

Prédios famosos e históricos, restaurantes e escritórios de grandes empresas irão participar oferecendo sua liderança nesse movimento tão bonito de união de forças e desligar suas luzes hoje por uma hora.

Na Austrália, o evento acaba de acontecer, olha só:


Nós vamos participar. E você?

*Foto via Uol Notícias

sexta-feira, 28 de março de 2008

Protesto real

Ainda falando em pele de animais, publiquei o post abaixo ano passado, no outro blog, e resolvi requentá-lo hoje porque o assunto não se esgota. E enqüanto eu vir gente por aí usando pele de animais mortos sobre as costas e posando de chique e boazinha, sendo na verdade ou uma pessoa muito cruel ou muito deslumbrada e completamente fora da realidade, eu vou continuar falando disso, tanto aqui no blog quanto em qualquer lugar onde eu possa expressar minha indignação. Por amor, NÃO USE PELES!

Outro dia participei de um protesto contra casacos (e chapéus, acessórios, etc.) feitos de pele animal. O movimento foi organizado pela CAAF (Caring Activists Against Fur) que é uma organização que luta especificamente contra a produção, venda e uso de casacos de pele.

Por quê não usar pele animal? Aqui vão só alguns motivos (pra mais informações em português, visite o site da organização brasileira PEA):
  • Os animais passam suas vidas em pequenas gaiolas, ao ar livre. Expostos às variações climáticas e confinados a um espaço reduzido, eles adquirem comportamentos neuróticos como auto-mutilação e canibalismo;
  • O nível de stress elevado fragiliza o sistema imunológico dos animais, levando-os, em cerca de 20% dos casos, à morte;
  • Depois de passarem a vida em condições deploráveis, esses animais são eletrocutados, asfixiados, envenenados, gazeados, afogados ou estrangulados e nem todos morrem imediatamente - alguns chegam a ser esfolados ainda com vida;
  • Em algumas fazendas, as raposas têm a língua cortada e são deixadas a sangrar até à morte. Os criadores recorrem a esses métodos de matança para que as peles fiquem intactas;
  • Em alguns países usam-se armadilhas, embora sempre digam que os animais foram criados em fazendas;
  • Desprovido de alimento, água e qualquer tipo de proteção dos predadores, pelo menos 1 em cada 4 animais rói a própria pata na tentativa desesperada de se libertar da armadilha. Os que conseguem, acabam morrendo logo depois, em conseqüência da perda de sangue, de infecção, de fome ou caçados por predadores;
  • Os animais que não conseguem escapar das armadilhas, aguardam em sofrimento durante vários dias ou até semanas, até que o caçador volte para verificar a sua armadilha. Para não estragar a pele, os caçadores os asfixiam com os pés;
  • Muitas vezes, os animais não resistem à espera prolongada e morrem de fome, de frio, de desidratação ou atacados por predadores;
  • Pelo menos 5 milhões de animais como cães, gatos, pássaros, esquilos e até mesmo animais de espécies em vias de extinção são acidentalmente apanhados, mutilados e mortos nessas armadilhas.



Fazia um frio do capeta aqui em Nova York naquela tarde de domingo. Eu me encapotei e encarei a friaca, mesmo porque adoro o inverno e me sinto mais confortável no frio do que no calor. O e-mail-convite da CAAF dizia: 1 da tarde em frente à loja de departamentos Saks 5th Avenue, na Quinta Avenida com a Rua 49, em mid-town.

Às 10 pra 1 eu já estava lá com meu casacão de lã sintética e meu broche anti-fur. O grupo foi pequeno desta vez, mais ou menos 40 pessoas apareceram, mas todo mundo estava super bem disposto e feliz por poder fazer alguma coisa contra esse hábito antigo, cafona, violento e desnecessário. Os turistas tiravam fotos da gente e sorriam solidários enquanto, reunidos bem na entrada da loja, entoávamos palavras fortes e frases de efeito, do tipo: "compassion is the fashion, don't buy fur!" (compaixão é o que está na moda, não compre pele). Alguns (poucos) transeuntes vestindo casacos de pele, passavam de fininho, morrendo de vergonha.

Quem já participou de um protesto sabe como é bom, como faz bem e lava a alma. Protestar (pacificamente, claro) dá um sentimento de estar sendo útil aliado a uma injeção de energia que dura dias, até semanas. Estávamos todos ali com um único objetivo, fazer barulho, comover, informar, e principalmente pressionar a loja Saks 5th Ave pra que pare de comercializar pele animal (como o fez uma outra grande loja de departamentos aqui de Nova York, a J.Crew, após um protesto da CAAF que reuniu mais de 200 pessoas).

Conheci gente muito boa ali, gente completamente diferente de mim, outras nacionalidades, idades, cultura, mas com algo muito importante em comum, o amor pelos animais, o inconformismo e a vontade de fazer alguma coisa. Uma senhora inglesa, logo no início do protesto (quando pegávamos nossos cartazes de dentro de uma caixa que os organizadores trouxeram) virou-se pra mim e disse: "se eu conseguir fazer pelo menos uma pessoa parar de comprar casacos de pele ou aqueles casacos com pele em volta do capuz, isso aqui hoje já valeu a pena". Essa é a idéia.

--------

Queria relembrar que hoje, sexta-feira, recomeça legalmente a caça às focas bebês, no Canadá. O post de dois dias atrás alerta pra esse horror que é a matança sangrenta desses seres indefesos e isso precisa acabar. Por favor, clique aqui pra enviar um email para o ministro canadense David Emerson, pedindo encarecidamente que ele ouça as centenas de pessoas ao redor do planeta que estão participando desse movimento e volte atrás nessa decisão absurda de liberar a morte por espancamento e esfolamento desses animais inofensivos.

ABAIXO O MERCADO DE PELES.


*All photos: Copyright © 2006 Andréa N. all rights reserved

quinta-feira, 27 de março de 2008

Farfalle ao pesto com couve crespa e lingüiça vegana

Procure uma massa que não contenha ovos. Dessa vez fizemos farfalle- as gravatinhas borboleta. Prepare de acordo com as instruções do pacote e separe.

A couve crespa foi lavada e cozida em fogo médio com um pouco de azeite de oliva, molho de soja e um pouquinho de óleo de gergelim. Acrescente um pouco de água, enquanto a couve cozinha, pra ficar mais macia.

A lingüiça vegana é "fat free", da marca Lightlife. Apenas fritamos alguns pedaços em azeite de oliva.

Pesto vem do italiano "pestare" que significa amassar, esmagar. Mas aqui em casa, na hora de fazer molho, a gente não usa pilão, não, e sim um liqüidificador ou processador, mesmo. :-) A versão original leva queijo parmesão. Na nossa, vegana: lave e separe umas 20 folhas de manjericão. Bata no liqüidificador 6 colheres (sopa) de azeite de oliva e 2 dentes de alho descascados. Acrescente o manjericão, sal a gosto e 12 gramas de pinoli (aqui: pine nuts) ou nozes. Bata só até virar uma mistura grossa, homogênea. Misture ao farfalle pronto.

quarta-feira, 26 de março de 2008

A matança recomeça

Pois é, começa hoje sexta-feira, mais uma vez, a matança horrorosa dessas criaturas tão queridas. Algo em torno de 275 mil focas bebês, algumas com poucas semanas de vida, serão caçadas e assassinadas sem piedade - abatidas a pauladas com bastões de madeira com ponta de metal - no Canadá. Algumas dessas focas terão suas peles arrancadas enquanto ainda vivas, e bem na frente de suas mães, que mais uma vez, chorarão de medo, terror e frustração.

Por favor, não compre casacos de pele. Nem aqueles com pele no capuz.

E se puder, perca 2 minutos do seu tempo e clique aqui pra mandar uma mensagem ao ministro canadense David Emerson. Ajude a acabar com essa crueldade que é a caça às focas bebês.

Obrigada por ajudar.

Julia Louis-Dreyfus pelo meio ambiente



Via ecorazzi

terça-feira, 25 de março de 2008

Ozu

Eita almoço bom. Hmmm...olho pra essas fotos e fico com fome de novo. Comidinha boa, super fresca, atmosfera tranquila, serviço amigável e preços não muito extravagantes.

Ozu é um dos meus restaurantes favoritos aqui em Nova York e já faz um tempão. É pequenininho, simples, aconchegante e serve uma comidinha maravilhosa, oriental vegetariana (mas eles também têm pratos com peixe). Foi com eles que aprendi a fazer summer rolls.

Já levei meus pais ali, meus amigos quando vêm visitar, e sempre recomendo. O endereço do Ozu é 566 Amsterdam Avenue, perto da rua 87.

Outro dia, num domingo, paramos ali pra almoçar depois de uma caminhada longa e compras pelo Upper West Side. Eram umas 3:30 da tarde. O lugar estava vazio, perfeito. Tirei essas fotos pensando mesmo em postar aqui. Sentamos bem pertinho do vidro, na primeira mesa ao lado da entrada, na foto acima.

O cardápio não varia muito, mas é grande. E há dois grandes pôsters, na parede oposta a essa da foto, com os "especiais do dia" ou "da semana", sempre com novidades interessantíssimas, como risoto de portobello com pesto, sopa de couve-flor, rolinhos primavera com cogumelos, etc.

Desta vez, R pediu Thai Noodles: macarrão de arroz, frito, com molho de amendoim, brócoli, vagem, cebola, cenoura e couve crespa. Por cima, vai broto de feijão cru e nozes.

Eu experimentei os croquetes Ozu (foto acima), feitos de grãos de cuscuz marroquino, millet, kasha, lentilha e verduras. Você escolhe se prefere fritos ou grelhados. Eu pedi fritos. Você também escolhe se quer com uma saladinha ou tubérculos. Eu pedi salada. Os molhos nas laterais do prato são: beterraba-vinagrete pra salada (o cor-de-rosa), e maionese vegana (para os croquetes).

Preciso dizer que lambi os dedos? :-)

E pensar que ainda existe gente que quando ouve a palavra "veganos" pergunta espantada, "carne nenhuma?, mas o quê vocês comem então?" Hahaha, só rindo...

segunda-feira, 24 de março de 2008

Mix de legumes com tahini & millet

Outro excelente substituto para o arroz integral, pra dar uma mudada na cara do prato, é o millet (no Brasil: milhete ou milheto, ou ainda painço). Assim como a quinoa, o millet é um grão super rico em proteína- quase tanto quanto o trigo integral. Ambos possuem 11% de proteína por peso. Além disso, os grãos de millett são ricos em vitaminas B, especialmente a B6 e ácido fólico, cálcio, ferro, potássio, magnésio e zinco. Millet não contém glúten, portanto é perfeito pra quem tem alergia a glúten ou pra quem sofre de doença celíaca. Prepare o millet do mesmo jeito que a quinoa.

Os legumes - use os que você quiser - foram salteados com azeite de oliva, alho (muito alho!), pimenta e um pouco de molho de soja. Servimos no prato com um pouco de molho de tahini por cima. Tahini é uma pasta deliciosa de gergelim, de origem árabe. Se você não quiser ou puder comprar pronta, dá pra fazer em casa tranqüilamente. Basta moer 1 xícara (chá) de sementes de gergelim com 1 colher (chá) de óleo de gergelim num processador. Vá adicionando água morna devagarinho, até que fique com a consistência que você gosta. Acrescente um pouquinho de sal, também.

As dificuldades em ser vegano

Lista longa e engraçadíssima. Em inglês.

domingo, 23 de março de 2008

Sopa de cenoura e gengibre

Chegou a primavera aqui, mas só vai começar a esquentar mesmo em 1 ou 2 meses (ainda bem!). Enquanto isso, a gente vai abusando das sopas e cremes que esquentam até a alma. Apesar dos dias lindos, ensolarados, lá fora está bem friozinho. Hoje, por exemplo, faz 31°F (-1 grau C).

E por falar em Páscoa e coelhos, essa sopa de cenoura e gengibre é fácil de fazer, deliciosa e super saudável.

O gengibre é geralmente vendido aqui nos EUA sob a forma de suplemento nutricional, mas não é difícil achá-lo "ao natural" nos mercados de rua. Na India, ele é aplicado em forma de pasta, na testa, pra aliviar resfriados. Também é usado como chá ou na comida, como tempero. Em Myanmar, gengibre associado a um adoçante natural local (feito com o suco retirado da palmeira- Htan nyat) é fervido e tomado pra prevenir gripe. Na China, também é usado pra tratar resfriados. Na Indonésia, é usado para reduzir a fadiga, prevenir e curar reumatismo e enriquecer hábitos alimentares pouco nutritivos. Antigamente eu mascava um pedacinho de gengibre todo dia antes do trabalho (eu era DJ numa rádio local em Santos, SP) pra deixar a voz mais clara e a garganta com aquela sensação fresca.

Você pode inventar a sua própria receita de sopa de cenoura e gengibre. Basta saber o básico. A receita de R, que varia de acordo com o que temos na geladeira, leva o seguinte: 1/2 quilo de cenouras limpas e descascadas; 1 cubo de caldo de vegetais; 1 colher de sopa (aproximadamente) de gengibre fresco descascado e picado; 6 xícaras de água.

Ponha tudo numa panela e ferva até as cenouras ficarem macias (15-20 minutos). Diminua o fogo pra temperatura média e deixe cozinhar mais uns 5 minutos. Depois, bata tudo no liqüidificador só pra virar um creme. R tem um "de mão" e bate a mistura na própria panela no final do cozimento. Também fica legal e menos trabalhoso que usar o liqüidificador convencional.

Adicionar noz-moscada fresca ralada por cima ou pimenta, vai muito bem. Dessa vez usamos um pouco de salsinha desidratada.

Informações técnicas via Wikipedia.

Feliz Páscoa vegana!

Aqui tem uma receita de ovos de Páscoa veganos, em inglês, pra quem se interessar. Se você quer aprender a fazer, mas não entendeu alguma palavra ou expressão da receita em inglês (ou mesmo a receita inteira), escreva pra mim: brazilnutblog@live.com
Traduzo pra você com o maior prazer.

Bom domingão e uma semana tranqüilinha pra todos nós!

sábado, 22 de março de 2008

Socorro!

Através do blog da Flavia, fiquei sabendo desse absurdo que está acontecendo no Brasil.

Um deputado do PFL da Bahia quer legalizar as rinhas de galo, canários e cães no Brasil, em nome dos costumes e cultura. O nome do Deputado é Fernando de Fabinho, autor do projeto de lei 4340/04. Esse projeto de Lei tramita em regime de prioridade (?) no Congresso Nacional.

Por favor, se puder, ajude. Mostre o seu repúdio a essa violência escrevendo um email para esse deputado. Vamos mostrar nossa indignação.

Dia Mundial da Água

Não tive tempo essa semana pra preparar um post legal e participar da blogagem coletiva de hoje sobre a água, mas este link do uol, oferece algumas informações básicas bem úteis sobre como economizar água.

Pra participar da blogagem coletiva ou dar uma olhada nos blogs participantes, passa lá no Faça a Sua Parte.

sexta-feira, 21 de março de 2008

Junk food na Sexta Santa

Tem gente que não come carne vermelha (ou aves) na Sexta-feira Santa. E tem gente, os veganos por exemplo, que não come carne nunca! Nenhuma! Então, se você faz parte da primeira turma, que tal juntar-se a nós e poupar também os peixinhos hoje?! E com "junk food" fica mais gostoso ainda, olha só:

Pois é. Comida vegana é tão saudável, que até junk food vira coisa boa. E isso aqui nem é junk food. Vamos combinar que só parece, mas é comida que faz muito bem pro corpo, pra mente, pra alma, pros animais, pro planeta...

Fritamos as batatinhas numa fritadeira elétrica. No sanduba foi Vegenaise (maionese vegana), alface, tomate, cebola, hamburguer vegano e 2 fatias de bacon de soja. Tanto o burguer quanto o bacon foram comprados prontos, congelados- fritamos numa panela rasa, de ferro, com um pouquinho de azeite de oliva.

Servi com cole slaw, que é uma comidinha super americana. Comprei a cenoura e o repolho já limpos e cortados bem fininho e só misturei leite de soja, vegenaise, sal, pimenta e vinagre branco.

Ficou bom demais!!

quinta-feira, 20 de março de 2008

Foie Gras = crueldade sem limite

Foie Gras - pronuncia-se "fuá-grá" - é um prato "especial", diz-se de sabor maravilhoso (nunca experimentei) e caríssimo; especialidade francesa que invadiu o mundo todo e é presença certa no cardápio dos restaurantes mais finos. É servido em forma de mousse, parfait ou patê e o ingrediente principal é fígado de pato ou ganso.

O que não se comenta é como a referida "iguaria" é obtida. O próprio nome já entrega: foie gras significa fígado gordo.

O processo envolve o confinamento de patos e gansos e a superalimentação forçada deles. O intuito é fazer o fígado do animal inchar ao máximo. Pra isso, uma alimentação excessiva e sem nutrientes adequados para o animal é empurrada esôfago abaixo, para então ele ser morto e seu fígado superinchado ser retirado.

Em termos médicos, os patos e gansos criados para foie gras sofrem de lipidose epática, que se traduz em um fígado patologicamente inchado e fisiológicamente danificado.

Nos criadouros para produção de foie gras, a alimentação é forçada durante os últimos 12 a 15 dias de vida para patos e 15 a 18 dias para gansos. Durante essa fase, os patos são geralmente alimentados seis vezes por dia, e os gansos oito vezes. A alimentação é ministrada por um tubo de metal, de 20 a 30 cm de comprimento, introduzido forçadamente pelo esôfago do animal.

A alimentação forçada explora da forma mais radical possível um processo natural, através do qual patos e gansos armazenam gordura em seus fígados em preparação para a migração de inverno. Veterinários e patologistas já determinaram que o processo de alimentação forçada desses animais é desumano. Feita geralmente de milho embebido em manteiga para facilitar a ingestão, causa uma grande acumulação de gordura no fígado, responsável pela sua consistência amanteigada, resultando num fígado grotesco, doente e inchado até 10 vezes mais que um fígado comum, para ser vendido como foie gras.

*Repare na foto, não só no pobre ganso sendo forçado pelo homem, mas nos outros em volta, sendo obrigados a assitir a esse horror e em pânico se amontoando no cantinho.

Os criadouros também mutilam esses animais numa tentativa de forçá-los a permancerem juntos, confinados em espaços pequenos. Pra isso, a ponta de seus bicos é cortada, sem anestesia, quando eles têm apenas alguns dias de vida. Apesar desse método prevenir que os animais assustados se machuquem dentro das jaulas ou gaiolas, ele faz com que sofram uma dor contínua, que dura por toda a sua curta vida. Muitos patos também têm pedaços de suas patas cortados, logo após saírem do ovo. Como consequência, eles têm dificuldade pra ficar de pé, andar e até respirar. Seus fígados superinchados resultam na diminuição do espaço que seus pulmões têm para encherem-se de ar, levando esses animais a sofrerem pneumonia, esofagite, traquéias laceradas e asfixia, além da proliferação de fungos e bactérias dentro de seus próprios organismos.

Se você que está lendo este post acha, como algumas pessoas que eu já conheci, que isso tudo é exagero de veganos ou de "terroristas verdes", dê uma olhada num video feito por agentes de organizações sérias, disfarçados e introduzidos clandestinamente nessas fábricas/matadouros. Depois volte aqui pra conversarmos de novo, tá bom? Este video tem legendas em português.

Ufa! Eu sei, é horrível e é muita informação pra, literalmente, digerir. Mas nem tudo está perdido. Aqui nos EUA, por exemplo, o estado da Califórnia aprovou uma lei em 2004 que proíbe a produção e a venda de foie gras no estado. Ela só vai a efeito em 2012, mas já é alguma coisa. E na cidade de Chicago a venda de foie gras já é proibída desde 2006. Pequenas vitórias...

Você também pode fazer alguma coisa pra ajudar. Comece jamais comendo isso ou aceitando comer em um retaurante que venda esse tipo de comida. Proteste, espalhe a notícia. Conte isso que você acaba de ler aqui para o maior número de pessoas possível. Vamos também educar as crianças e quem sabe um dia essa monstruosidade terá fim.

Se você mora nos EUA, clique aqui para saber como ajudar e depois, clique em "what you can do".

Via www.NoFoieGras.org, Wikipédia (em português), YouTube e www.stopforcefeeding.com

quarta-feira, 19 de março de 2008

Muffin vegano de chocolate e nozes

Nossa, fiquei louca! Não sei o que me deu, mas resolvi fazer muffins. Aliás, sei bem o que me deu e as mulheres hão de me entender. Era aquele diazinho safado do mês, que me fez agüada por chocolate, sabe? Quem me conhece sabe, eu nunca como sobremesa, não gosto de doces, e tal... Oh well, nesse dia eu precisava não só de doce, mas de chocolate, especificamente. Só que no passado, juro, um pedacinho de chocolate vegano ou um pouquinho de cereal com leite de soja e canela em pó, e tudo bem. Estava tranqüila. Mas, dessa vez não. Cheguei do trabalho, dei um google em "vegan chocolate muffin" e deu nisso.

Encontrei esta receita e por incrível que pareça, eu tinha TODOS os ingredientes aqui em casa. Me empolguei. E me empolguei mais ainda com o fato de que R tinha ido à um concerto de jazz e quando ele chegasse, eu sabia, não ia acreditar que eu sozinha mandei brasa e dei uma de bakin' mama, hehe. Usei a fôrma de muffins abandonada que ganhamos há 500 anos. Ficou um escândalo, posso falar? E se eu consegui, você tranqüilamente consegue o mesmo resultado. Tô aqui me sentindo poderosíssima. :-) Não, não vou sair por aí cozinhando todas, fazendo bolo de aniversário e tal. Foi só a one time luck, falou?

Muffins veganos de chocolate e nozes:
  • 1 ¼ xícara de farinha integral
  • ¼ xícara de pó de cacau
  • ½ colher (chá) de bicarbonato (baking soda)
  • ½ colher (chá) de fermento em pó
  • ½ colher (chá) de sal
  • ½ xícara de "maple syrup" - eu usei xarope natural de framboesa
  • ¾ xícara de leite de soja sabor baunilha (ou "plain" = sabor original, com ½ colher [chá] de baunilha - e era exatamente o que eu tinha em casa).
  • 2 colheres (chá) de óleo vegetal
  • ½ xícara de nozes picadas, mais 8 metades para güarnecer
Pré-aqueça o forno a 350 graus F (uns 175 Celsius). Numa fôrma de muffins, unte 8 buracos.
Misture numa tigela média a farinha, o cacau, bicarbonato, fermento e sal. Aqui, eu acrescentei uma colher de sobremesa de noz-moscada ralada na hora. Adoro o cheiro...
Misture numa tigela pequena o xarope de framboesa (ou maple syrup), o leite de soja, a baunilha e o óleo.
Despeje esses ingredientes na panela média com a mistura seca e misture tudo até ficar macio, adicionando as nozes só no último minuto. Não mexa demais.

Com uma colher, preencha cada buraco untado da fôrma até 2/3. Finalize com uma metade de noz em cima de cada um. Leve ao forno por 18-20 minutos. Deixe esfriar um pouco antes de servir.

Faz 8 muffins.
Fê, essa receita é pra você, formiguinha!

Go Veg!



Moltivos...motivos...
Watch more videos at PETA.org

segunda-feira, 17 de março de 2008

Happy Saint Patrick's Day!

Em comemoração ao dia verde dos palmeirenses, digo, dos irlandeses, aqui vai uma saladinha ótema :-)

Corte as pontas e cozinhe um punhado de vagem em água com sal por uns 5 minutos; escorra. Misture num prato com 2 tomates fatiados e duas colheres de sopa de azeite de oliva, hortelã picada e pinoli torrada (ou nozes). Adicione sal e pimenta à gosto.

Essa e outras receitinhas simples e deliciosas, eu achei aqui.

Feliz Dia de Saint Patrick!

A tal da B12

A vitamina B12 é o único nutriente sem equivalente na alimentação livre de carne. A maioria dos médicos concorda que, por mais que se siga corretamente uma alimentação vegana, que é considerada super saudável, veganos têm que repor a vitamina B12.

Essa vitamina é responsável por ajudar a manter as células nervosas e as células vermelhas do sangue saudáveis. Ajuda também na produção de DNA.

Plantas não produzem vitamina B12.

A única forma da cobalamina ser fabricada (sintetizada) é através de bactérias. A presença de B12 nas carnes se deve ao fato de que os animais ingerem ou absorvem (quando produzidas pelas bactérias do seu trato gastrointestinal) a vitamina.

A presença de vitamina B12 no leite e nos ovos se deve à passagem dela do animal para as suas secreções.

Você já deve ter lido por aí que nós somos capazes de produzir B12. Isso é verdade, mas o problema é absorvê-la. Você também deve ter ouvido por aí que há B12 nas algas marinhas e nos produtos fermentados de soja. Também é verdade, mas de acordo com médicos, nenhum dos dois pode ser considerado fonte confiável de B12.

Como a necessidade de vitamina B12 é pequena e ela é tanto armazenada quanto reciclada no corpo, os sintomas da deficiência podem demorar anos para aparecer.

Veganos precisam repor vitamina B12 através de suplemento vitamínico pelo menos 3-4 vezes por semana. Não dá pra confiar só nos cereais, sucos e leites vegetais fortificados- apesar deles serem excelentes.

Mais um detalhe: não se preocupe com um possível "excesso de vitamina 12". O Instituto de Medicina da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos não estabeleceu nenhum limite específico para a vitamina B12, dado ao potencial baixo de intoxicação. Nunca foi constatado nenhum efeito adverso causado por excesso de vitamina B12. Ou seja, só precisamos nos preocupar em prevenir a falta de B12. Nosso próprio organismo se encarrega de eliminar ou reciclar o que sobra dela.

Dr. Eric Slywitch, especialista em nutrição vegetariana e vegano desde 1992, explica TUDINHO, nos mínimos detalhes e de um jeito fácil de entender aqui.

No mesmo site, você encontra muito mais informações sobre a B12, como alimentos enriquecidos com ela, suplementos vitamínicos, etc.

Leia, informe-se. É importante. Não dê bobeira com a sua saúde!

Este livro também é uma ótima fonte de informações (em inglês).

E coincidentemente hoje, minha amiga e leitora de pensamentos Gabs, me mandou este artigo por email. Obrigada, querida!

domingo, 16 de março de 2008

Tortilla brunch

Todo final de semana tem brunch especial aqui em casa. Já reparou como a gente gosta de inventar? Dessa vez, aquecemos essas mini-tortilhas no microondas por uns 10 segundos. No centro, colocamos tofu mexido com cogumelos, brotos de alfafa, uns pedacinhos de avocado (abacate pequeno), um tico de repolho roxo cru picadinho e salpicamos cebolinha por cima. Enrole a tortilla como quiser. Eu não faço muito rodeio, dou só uma enrolada nas duas laterais e prendo no meio com um palito. Inspiração da cozinha mexicana. Vai uma tequila aí? :-)

sábado, 15 de março de 2008

Enquete número 2

Essa semana perguntei aqui qual o tipo de comida favorito dos leitores do brazil nut, com a intenção de ter uma idéia melhor de que tipo de receitas e dicas publicar para os interessados. 11 pessoas gentilmente marcaram suas preferências. O resultado foi o seguinte:

45% curtem saladas - o que me deixou muito feliz, já que é super saudável comer uma saladinha e, na minha cabeça, brasileiros não são muito fãs delas. A gente aqui em casa come MUITA salada. Eu só tinha um pouco de receio de que as pessoas que acham que "vegano só come salada" se empolgassem com essa idéia super errônea e por isso, até agora só publiquei uma receita de salada. Mas prometo oferecer mais idéias, dicas e receitas bem legais daqui pra frente. Lembre-se de que salada é a coisa mais fácil e rápida de preparar.

Risotos/paellas e sanduíches/wraps empataram em segundo lugar (36% cada). Sempre achei meio complicado preparar risotos e paellas, mas isso é uma bobagem. Aprendi com R que é só se jogar, hehe, arriscar é o que nos faz criar pratos sensacionais na cozinha. E sanduíches e wraps, que criaram fama de junk food por conta das grandes redes americanas de fast food, podem ser, além de saborosos, MUITO saudáveis. Publicarei muita coisa legal aqui, também.

Em terceiro lugar, empatados com 27% dos votos, cada, ficaram as sopas & caldos (perfeitos para o inverno e/ou perder uns quilinhos), sushis e aperitivos. Ainda estou aprendendo a enrolar sushi com o arroz do lado de fora. É divertido treinar, mas ainda não cheguei a um resultado fotografável. :-) Há também os "rolls", que incluo nessa sub-ordem, que podem ser enrolados com papel de arroz ou couve. Aperitivos são imprescindíveis quando se cozinha pros amigos, e eu já tenho rascunhadas umas dicas (com fotos) aguardando publicação.

Massas/noodles/pizzas, assim como doces/bolos/sobremesas, empataram em último lugar com 18% de votos cada. Adorei a coincidência, já que também não são minhas preferências particulares. Mesmo assim, não vou deixar de publicar, de vez em quando, receitinhas interessantes de massas, pizzas e doces, claro. Recentemente, R comprou uma "pedra" daquelas em que se prepara a pizza em cima e leva-se ao forno, e está empolgadíssimo com os resultados. Já eu, outro dia, resolvi do nada fazer muffins de chocolate com nozes e o resultado ficou maravilhoso. O post está prontinho; publico ainda essa semana.

Muito obrigada a todos que participaram!

sexta-feira, 14 de março de 2008

1001 motivos pra ser vegana

  • Ajudar na luta contra a violência
  • Viver minha religião na prática
  • Ensinar pelo exemplo
  • Salvar uma média de 200 animais por ano, simplesmente por não comê-los
  • Ver os animais não-humanos como semelhantes terráqueos, não como objetos
  • Algo em comum com Prince
  • Não ter que me preocupar se tofu é criado solto
  • Meditar é mais fácil sem restos de carne no estômago
  • Vegenaise
  • Bom karma
  • Café-da-manhã, almoço e jantar
  • Pele mais bonita e menos espinhas
  • Tofurky
  • Não comer os corpos de almas torturadas
  • Dennis Kucinich
  • Me sentir muito bem o tempo todo
  • Nunca ter que usar calças ou jaqueta de couro
  • Risoto de aspargos
  • Compaixão é MUITO saborosa!
  • Contribuir com o fim da fome no mundo
  • Jennifer Connelly
  • Fazer parte de algo que realmente importa nesse mundo
  • Cogumelos portobello
  • Mais força espiritual, mental, emocional e física
  • Casey Affleck
  • Ser a mudança que eu quero ver no mundo
  • Ter menos colesterol
  • Olhar nos olhos de qualquer animal sem sentir culpa
  • Conhecer pessoas compassivas, inteligentes e criativas que defendem os animais
  • Menor risco de osteoporose
  • Mais uma coisa em comum com Paul McCartney (também sou geminiana, canhota e apaixonada por baixos elétricos) :-)
  • Ingerir muito mais fibras naturalmente
  • Cozinhar para os amigos
  • Tratar TODOS os animais com o mesmo respeito e consideração
  • Comer tudo o que eu quero sem engordar demais
  • Seitan
  • Ajudar a salvar o planeta um pouquinho mais a cada refeição sem carne
  • Woody Harrelson
  • Cuscuz marroquino
  • Saber que eu sou mais ambientalista que Al Gore
  • Risco bem menor de ter diabetes ou ataque cardíaco
  • Bagel torrado com tofutti cream cheese e cebolinha
  • Muito mais energia (wink, wink)
  • Natal, Reveillon, Páscoa e Dia de Ação de Graças sem crueldade
  • Stella McCartney
  • Um cólon mais limpo
  • Descobrir novos restaurantes veganos
  • Aipo com manteiga de amendoim
  • Comida mexicana, etíope, chinesa, indiana e japonesa
  • Joaquin Phoenix
  • Summer rolls
  • Camisetas legais
  • Leite de amêndoas
  • Usar/vestir só a minha pele e a de mais ninguém...
* Inspirada pela revista VegNews (que a gente adora), edição especial no. 60

Happy Friday!

quinta-feira, 13 de março de 2008

Dois selinhos num dia só!

Nossa, tô me sentindo importantíssima hoje! Duas colegas de blog que eu respeito muito e com quem adoro trocar idéias, presentearam o brazil nut com dois selinhos diferentes no dia de hoje:

A Isabella, do blog, Tem quem goste, ofereceu ao brazil nut o selo Blogger del Dia!

E disse: "O Brazil Nut, da Andrea, onde ela nos fala como se tornou vegan e dá ótimas dicas!".

Muito obrigada, Isabella!

E a Carla, do Vai, Carla, ser gauche na vida!, presenteou o brazil nut com o selo Este blog não me sai da cabeça, pelo conteúdo dos posts.

Muito obrigada, Carla!


O brazil nut ainda é um bebê e eu não tenho sete blogs veganos que eu visite todos os dias (ao menos em português) pra indicar. Mas espero que mais e mais veganos botem a boca no mundo. Enquanto isso, na barra lateral à direita, há uma lista de blogs em inglês e português muito interessantes e que valem uma visita.

Isso dá um estímulo enorme pra gente continuar escrevendo, ajudando a esclarecer tanto quanto é possível sobre essa filosofia ainda pouco conhecida, que é o veganismo, e tão bonita, que pratica a compaixão e rejeita todas as formas de exploração e crueldade contra os outros animais.

quarta-feira, 12 de março de 2008

Batata assada

Pode chamar de "baked potato", pra ficar mais charmoso. :) Esse prato é um favorito nosso, e é tão fácil de fazer.

Escolha qualquer tipo de batata. Faça umas quatro de uma vez (o que sobrar, vai pra geladeira e no almoço ou jantar seguinte, é só aquecer). Lave e escove bem. Deixe a casca. Pré-aqueça o forno a 400 graus Farenheit (uns 200 Celsius). Faça furos na batata com um garfo umas 8 vezes e envolva-a em papel alumínio. Deixe-a no forno por mais ou menos uma hora, até que esteja macia quando perfurada com o garfo. Quando estiver pronta, retire o papel e deixe esfriar. Sirva com o seu acompanhamento favorito: salada, legumes salteados...

terça-feira, 11 de março de 2008

Aconteceu de verdade...

...esses dias, durante uma reunião de almoço onde eu trabalho.

Uma das pessoas à mesa diz: "não gosto de legumes, verduras ou sopa" - olhando diretamente pra mim (eu estava tomando sopa). Eu olho em volta, sorrio e educadamente, solto um "ouch!", baixinho.

Outra pessoa vira-se pra nós e diz, mais alto pra todos ouvirem: "então, está balanceado. Entre vocês dois, tem uma pessoa normal!". Todo mundo ri.

Sim, isso aconteceu aqui em Nova York, entre americanos "esclarecidos".

Ninguém merece.

Maurício, te prepara, amigo.

Mais um leite vegetal delicioso!

Eu tinha falado aqui sobre o leite de soja e também do leite de arroz. Queria experimentar mais um, diferente, pra poder sugerir aqui. Esse de amêndoas é uma delícia. Use pra cozinhar, no cafezinho, na vitamina... Não costumo comprar nenhum com sabor (chocolate, baunilha...), só os originais ou plain.

segunda-feira, 10 de março de 2008

Sobre pele e mau gosto

Essa mulher estava sentada bem na minha frente, no ônibus. Isso no cabelo dela, serve pra proteger as orelhas do frio. Fez uma tarde linda de inverno ontem. Domingão. Um sol brilhante lá fora disfarçava o vento cortante, que eu adoro.

Voltando ao assunto, isso no cabelo dela é pele de verdade. Pele de um animal que foi asfixiado, afogado ou morreu por eletrocussão anal. Esses são os três tipos de morte para que a pele não fique manchada com o sangue do animal quando ele é abatido (sem anestesia).

Nesse mesmo dia, acho que vi mais de 20 pessoas nas ruas usando casacos de pele- daqueles compridos, que levam, cada, uns 8 animais mortos pelo menos. Nojento. Tanto os casacos quanto essa coisa no cabelo dessa mulher. Nojento e imoral.

Aqui estão mais fotos que fiz outro dia pela cidade.

domingo, 9 de março de 2008

Panquecas (moda americana)

As panquecas daqui são um pouco diferentes das feitas no Brasil. É um prato de café da manhã ou brunch, geralmente. Aqui está a nossa versão vegana.

Primeiro dei uma olhada na geladeira pra ver que legumes eu tinha pra juntar à mistura: cenoura, cogumelos, cebolinha e abobrinha. Piquei tudo, misturei e separei.

A receita de R é simples e divide-se em duas partes. A primeira é o mix. A gente tem uma quantidade boa já preparada, guardada numa jarra, e quando fazemos panquecas, apenas misturamos o mix aos ingredientes líqüidos e pronto.

Mix: 1 xícara de farinha integral, 1 xícara de farinha de trigo (aqui: unbleached, all purpose flour), 1 colher (chá) de sal, 2 colheres (sopa) de fermento em pó, 3 colheres (sopa) de semente de linhaça em pó.

Para duas pessoas, use 1 xícara do mix, 1 xícara de leite de soja (plain) e 2 colheres (sopa) de azeite de oliva ou óleo de canola. Misture tudo. Se ainda estiver muito grosso, use um pouco mais de leite de soja.

Desta vez, antes de fritar, adicionei à mistura os legumes que tinha picado e separado. Frite em um pouquinho de margarina vegana, em colheradas grandes, ou seja, porções pequenas como as da foto, e sirva do jeito que quiser. À moda americana, uma pilhazinha de panquecas é feita no prato e servida com bastante syrup (que é bem doce) regado por cima.

Eu sou fã dos salgados, como já disse aqui, então prefiro com uma saladinha de espinafre fresco.

Laurinha, querida, aí está a receita de panquecas que você tinha pedido. Bon apetit!

Pra mais idéias, clique aqui em baixo em "Café da manhã ou Brunch".

Ovos de Páscoa veganos

Vi esse anúncio na comunidade vegana do orkut e passo adiante. Não experimentei esses chocolates, mas o site é bem legal e a iniciativa da Ana Maria é sensacional. Este é o endereço.

Mais de 30 opções em chocolate 100% vegano, branco ou escuro, inclusive chocolates recheados. Ovos, barras, pirulitos, bombons, coelhos, etc. E ela entrega no Brasil inteiro.

sábado, 8 de março de 2008

Dia da Mulher

Aqui vai um poema lindo e simples da maravilhosa Alice Walker:

What Will Save Us

The restoration to the cow
Of her dignity.
The restoration to the pig
Of his intelligence.
The restoration to the child
Of her sacredness.
The restoration to the woman
Of her will.
The restoration to the man
Of his tenderness.

E aqui, a tradução do poema pela maravilhosa Regina Camargo:

O que nos salvará

Restaurar à vaca
A sua dignidade.
Restaurar ao porco
A sua inteligência.
Restaurar à criança
O que lhe é sagrado.
Restaurar à mulher
A sua determinação.
Restaurar ao homem
A sua ternura.

Este post faz parte da blogagem coletiva em homenagem ao Dia da Mulher.

Parabéns!

sexta-feira, 7 de março de 2008

Brócoli e tofu ao curry com arroz integral

Prepare o arroz integral do seu jeito favorito. Separe.

Numa frigideira grande, aqueça um pouco de azeite e frite alho até dourar. Adicione o brócoli com o tofu cortado em cubos (dessa vez não foi preciso marinar o tofu previamente). Use sal e pimenta pra dar gosto. Em fogo médio, misture tudo e adicione uma lata de leite de côco, duas colheres (sopa) de curry em pó e salsinha. Continue misturando enquanto tudo cozinha por uns 5-10 minutos, até o brócoli ficar macio.

Sirva com o arroz integral. Desta vez, usei também uma saladinha de tomate e pepino frescos pra acompanhar.

quinta-feira, 6 de março de 2008

O tal do tofu

Muita gente torce o nariz quando ouve a palavra "tofu". Com certeza não são vegetarianos ou veganos. Tudo bem que o tofu sozinho não tem mesmo gosto de nada, mas aí é que está- ele absorve o sabor que você quiser. Claro que os que torcem o nariz não experimentaram ainda um tofu preparado corretamente. E é fácil.

Procurando inspiração por aí de como explicar direitinho e inspirar os novos-vegetarianos ou novos-veganos, tropecei num blog muito útil e que é uma graça - o endereço aparece no final deste texto.

Como a dona do outro blog, eu também não sou expert em tofu, mas venho comendo há muito tempo. Ele é uma espécie de coringa- pode vir como prato principal ou mero coadjuvante. São infinitas as maneiras de prepará-lo. E o tofu serve, inclusive, pra fazer liga, em vez de usar ovos, na hora de assar. O tofu vai de aperitivo a prato principal, passando por vitamina (smoothies) e até sobremesa. Percebeu como é um pecado não usar um alimento tão rico, saudável e versátil?

O que é tofu?
São blocos prensados de leite de soja adicionado de um coagulante. O processo é muito parecido com o do queijo. O leite da soja (água e grãos de soja) é tratado para engrossar e muitas vezes o coagulante é a base de cálcio. Ele então é prensado e embalado com água (deve ser refrigerado) ou vem em embalagem estéril (esse não precisa de refrigeração).

Para os mais aventureiros, achei aqui como se faz tofu caseiro. Good luck!

Como se prepara?
Para o tofu que vem embalado com água, é preciso drená-lo. Basta envolver o pedaço que você vai usar em papel-toalha e apertar (ou colocar um peso em cima) por alguns minutos. Tem gente que faz uma pilha que fica assim: mesa-papel-tofu-papel-prato-sopa em lata. Use o que quiser.

Para mariná-lo:
Você pode marinar o tofu com os sabores que quiser. Pressione pra retirar a água primeiro e deixe marinando no molho escolhido por no mínimo 20-30 minutos. Shoyu, amendoim, shoyu com alho, óleo de gergelim e gengibre...

Congelar:
Congelar o tofu muda a textura dele. Fica mais esponjoso. Drene o excesso de água (não precisa pressionar) e guarde num pote bem fechado. Congele por 24 horas ou mais. Descongele deixando na geladeira. Aí, aperte com as mãos pra sair a água, deixe marinar e cozinhe normalmente.

Assando:
Comprar tofu já cozido, é mais caro. Dá pra fazer o mesmo em casa. Corte em fatias o tofu firme ou extra-firme e salpique com azeite de oliva ou óleo de amendoim, suas ervas favoritas, sal e pimenta a gosto. Asse-o no forno por 45 min. a 1 hora, a 350 graus Farenheit (isso dá uns 177 Celsius). Mais barato que os comprados prontos e exatamente como você preferir. (Eu prefiro comprar pronto). :-)

Diferentes usos:
Como eu disse, dá pra fazer assado, salteado na frigideira com os seus legumes favoritos (eu faço uns espetinhos muito legais), grelhado, sushi, summer rolls, patês, vitaminas, tofu mexido (foto acima)... Dê um google em "receitas veganas com tofu" e muita coisa boa vai aparecer.

Estes são os tipos de tofu:

Silken Tofu - próprio pra fazer molhos, dips, patês, frapês, "milk shakes", panquecas, mufins, bolos, sobremesas, cremes.

Soft e Extra Soft - bom pra sobremesas, maionese, "omeletes", molhos, ou no lugar do creme de leite ou de ovos nas receitas.

Tofu Firme - bom pra saladas, grelhado, frito, "hambúrguer", massas, sopas, sanduíches, etc.

Tofu Extra Firme - grelhado, assado, frito, "hambúrguer" e sanduíches.

Benefícios:
  • Repositor hormonal natural
  • Alimento altamente proteico e nutritivo
  • Importante fonte de ácidos graxos poliinsaturados e minerais (cálcio, fósforo e ferro)
  • Alimento light e excelente auxiliar para dietas emagrecedoras
  • Ajuda a baixar o nível de colesterol
  • Excelente fonte de vitaminas B, D, E, F, K
  • Bom para a pele
  • Auxilia na menopausa
  • Diminui a tensão pré-menstrual (TPM)
  • Previne contra osteoporose, arteriosclerose e problemas cardíacos
  • Contém 8 aminoácidos essenciais
Há muita coisa boa pra se fazer com tofu. Se você nunca experimentou, vá a um restaurante chinês primeiro e peça o arroz frito com legumes (sem ovos) com tofu adicionado. Ou tente quaisquer receitas você encontrar em blogs por aí.

Não deixe de experimentar esse alimento fantástico!

Informações via Pamela Cooks! e http://www.tofu.com.br
Camiseta "I Love Tofu": www.alternativeoutfitters.com
Foto do tofu cru: http://foodcourt.wordpress.com

quarta-feira, 5 de março de 2008

Salada de espinafre

Espinafre fresco; tomate fatiado; cebolinha picada; avocado (abacate pequeno) fatiado; brotos de alfafa; repolho roxo fatiado bem fininho. O tempero é de azeite de oliva, sal, pimenta-do-reino e salsinha.

terça-feira, 4 de março de 2008

Favoritos na cozinha vegana

Vi esse questionário no blog Walking the Vegan Line e resolvi responder também. Cortei algumas perguntas que só fazem sentido nos EUA e incluí outras:

1. Se você tem que escolher entre comprar legumes e verduras locais ou orgânicos, o que geralmente você escolhe?
Locais, sempre.

2. Jeito favorito de preparar batatas
Essa é fácil. Não sou eu quem prepara, é o marido. Meu prato favorito são as "baked potatoes" que ele faz (batata assada) com cebolinha.

3. Você pressiona o tofu antes de prepará-lo?
R não, mas eu sim. Simplesmente envolvo em papel toalha e aperto, pra secar um pouco.

4. Qual a sua receita favorita, que é tradição na sua família:
Nosso prato tradicional aqui em casa, nos principais feriados, é o tofurky, acompanhado de purê de batatas e couve à mineira com muito alho.

5. Alguma alergia à alimentos?
Nenhuma, thank god!

6. Para um jantar chique, onde você vai?
Cafe Blossom.

7. Quando tem um resfriado, o que mais dá vontade de comer?
Sopa de missô.

8. Que água você toma? (Filtrada, de garrafa, da torneira...)
Da torneira, mas passada num filtro Brita e guardada na geladeira. E gosto BEM gelada.

9. Vitamina (smoothie) favorita
R faz uma que leva simplesmente banana, leite de soja, essência de baunilha e canela em pó. Espetáculo.

10. Sobremesa favorita
Não como sobremesa todo dia, mas quando bate a vontade, sorvete.

11. Se você pudesse cultivar um alimento que não é possível por causa do clima onde você mora agora, qual seria?
Nem tanto por causa do clima, mas acho que por causa da terra. Figos.

12. Cogumelo favorito
Adoro todos os tipos. Shimeji e portobello acho que são os favoritos.

13. Qual a parte mais frustrante da sua cozinha?
O tamanho dela. Queria que fosse BEM maior.

14. Qual foi a última comida que você queimou?
Nunca queimei comida. Não cozinho muito, mas quando o faço, tenho tanto medo de queimar comida que tomo o maior cuidado.

15. Resposta favorita pra quando fazem a famigerada pergunta, "mas de onde você tira a sua proteína?"
Preciso pensar numa resposta legal ou sarcástica, porque ouvir essa pergunta é inevitável. Geralmente eu sorrio e tento rapidamente explicar sobre legumes, verduras, grãos, feijão...

16. Se você estivesse preparando o seu próprio bolo de aniversário hoje, como seria?
Não sei preparar doces e não sou fã de bolo. Acho que compraria um numa deli vegana pra oferecer pros amigos.

17. Suco natural favorito
Grapefruit nos EUA e açaí no Brasil

18. Se você tivesse $200 dólares pra gastar numa loja Williams Sonoma- o que compraria?
Muitos jogos americanos e maquininhas. Sou doida por maquininhas (entenda-se: sou preguiçosa). Além das básicas (cafeteira, processador, liqüidificador), tenho moedor de café, máquina de expresso, fritadeira elétrica, maquininha de waffles, grelha elétrica, maquininha de arroz, de massas...

19. Você planeja seus cardápios com antecedência? Tem alguma dica?
Não, porque não sou em quem cozinha em casa. R também não planeja muito, não. Ele vai no que está na estação e portanto mais barato e fresco.

20. Você tem 3 minutos antes de sair de casa e está faminta- o que você come?
Uma fatia de pão integral com tofutti cream cheese e uma banana.

21. Se você pudesse viajar pra um lugar pra aprender todos os pratos tradicionais deles, pra onde iria?
Tibet.

22. Lanchinho noturno favorito?
Cookies veganos Newman's Own (do Paul Newman).

23. Comida favorita na primavera?
Morangos frescos.

24. Revista favorita (relativa a culinária)
VegNews.

25. Qual molho de soja você prefere: shoyu, tamari, ou Bragg's Aminos?
Tamari.

26. Qual legume, verdura e/ou fruta você menos gosta?
Quiabo e manga (não como nem amarrada).

27. Bebida favorita
Café.

28. Se você pudesse converter qualquer pessoa ao veganismo, quem seria?
Meu irmão Júnior e o presidente dos EUA (quem quer que esteja no poder).

29. Refeição favorita
Brunch.

30. Três pratos favoritos
Escolhi um brunch, um almoço e um jantar (mas provavelmente é melhor não comer esses 3 no mesmo dia): panquecas, feijoada vegana, risoto de cogumelos.

segunda-feira, 3 de março de 2008

Spaghetti com cogumelos

Esse é muito fácil, né?! Prepare o spaghetti de acordo com as instruções do pacote. Separe. Lave bem os cogumelos, seque-os e corte-os em fatias. Frite-os no azeite de oliva com alho (muito alho) e um pouco de molho shoyu. Misture tudo e salpique salsinha e pimenta por cima.

domingo, 2 de março de 2008

Ela sabe tudo

Anúncio do PETA com a atriz Christina Applegate contra o uso de peles. Nota 10 pra ela! E falando nisso, muita gente por aqui infelizmente continua com esse mau gosto incrível.

sábado, 1 de março de 2008

Sopa cremosa de feijão azuki

Continua a maior friaca aqui em NY e antes que você faça cara feia, o inverno aqui é lindo, só perde pro outono. :)

O feijão azuki é pequeno e vermelho, originário do Japão. Ele é menos ácido que os outros tipos e de fácil digestão, além de ser bem nutritivo (cálcio, fósforo, ferro e vitaminas do complexo B). Além disso, possui propriedades diuréticas e fermenta menos que os outros feijões.

Deixe o feijão de molho desde a noite anterior. Escorra toda a água e lave bem. Deixe secando por uns 15 minutos, enquanto frita na panela, em fogo baixo, azeite de oliva e alho, muito alho. Cozinhe o feijão em fogo baixo por horas, sério, muito tempo. Em água com sal & pimenta e caldo de vegetais ou missô dissolvido em água. R adicionou, dessa vez, alguns cogumelos e tomates secos. Eu coloco também muita salsinha, fresca ou desidratada.

Quando o feijão e tudo o mais estiver macio, apague o fogo. Deixe esfriar por uns 15 minutos e bata tudo no liqüidificador por 2 minutos.

Posts similares

Related Posts with Thumbnails