quarta-feira, 30 de julho de 2008

Videos sobre os direitos dos Animais

Clique aqui pra assistir aos videos do professor Gary Francione, uma autoridade em Direitos Animais. Tem versão em português. Não é excelente, isso? Não deixe de ver.

Falando em professor Francione, estou lendo um dos livros dele: Introduction to Animal Rights: Your Child or the Dog? e recomendo muitíssimo.

Peguei a dica do video no V de Vegano.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Biscuits

Descobri a receita vegana mais fácil do mundo de biscuits (aqueles paezinhos americanos deliciosos). E já estamos viciados. Achei num dos blogs favoritos, o Vegan Ronin.

2 xícaras de farinha de trigo (a gente usou "all-purpose flour")
1 pitada de fermento
1/4 de xícara de maionese vegana
2 colheres de sopa de sálvia fresca, picada (tomilho também vai bem)
1 xícara de leite vegetal (pode ser de soja, de arroz, de amêndoas, de aveia... A gente tem usado bastante leite de arroz)

1. Coloque todos os ingredientes numa tigela e misture bem. Vai virar uma massa grudenta.
2. Coloque um pouquinho da massa em cada buraco da fôrma de muffins.
3. Leve ao forno por 12-15 minutos a uma temperatura de aproximadamente 200 graus Celsius, até que fiquem dourados. Pronto!

sábado, 26 de julho de 2008

Excelente ferramenta / Excellent tool

A Susan, do ótimo blog Fat Free Vegan, preparou sozinha um mecanismo de busca de blogs veganos e vegetarianos, olha que legal isso!

O endereço está aqui, e eu já tenho usado. É super útil!

-------

Susan, from the great Fat Free Vegan blog, prepared a search engine of vegan and vegetarian blogs, how cool is that?!

Here it is and I've already been using it. Super helpful!

Legumes grelhados e saladinha

Essa é a pedida pra quem quiser dar uma desintoxicada, hidratar o corpo no dia seguinte a uma balada ou então pra quem resolveu perder uns quilos e afinar um pouco o corpinho. Legumes grelhados e salada.

Clique na foto ao lado pra ampliá-la e ver melhor os legumes escolhidos por nós desta vez: abobrinha, pimentão cor-de-abóbora, cebola e cogumelo portobello.


Na salada foi o que tínhamos na geladeira: alface picada, grão-de-bico, cenoura e rabanete ralados, cebolinha picada e feijão branco. Para o molho, o melhor é sempre o natural. A combinação azeite-sal-pimenta do reino é perfeita. Também usamos óleo de semente de linhaça, que é o alimento mais rico em Ômega 3 (mais que salmão), mas óleo de linhaça é caro, então o azeite acaba sendo o campeão nas saladas aqui em casa.

Saúde e compaixão, tudo incluído numa refeição que ainda por cima é deliciosa. Go vegan!

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Greve dos cavalos

Queria que essa greve durasse pra sempre...

*Quadrinho do Fernando Gonsales (via Folha de SP)

terça-feira, 22 de julho de 2008

Tofu grelhado, aspargos salteados e cole slaw

Eu queria fazer tofu grelhado, mas com um molho pra marinar diferente dos que eu costumo preparar. Aí, pesquisando por aí, achei um molho bem legal e simples nessa receita do blog Fat Free Vegan. Não fiz a receita que aparece no blog, só aproveitei a idéia do molho pra marinar o tofu.

Molho de cominho:
  • 1 pacote de tofu firme
  • 1 colher (sopa) de suco de limão
  • 1 colher (sopa) de agave nectar (adoçante natural), mas você pode usar açúcar demerara ou mascavo.
  • 1 colher (sopa) de molho de soja (shoyu ou tamari)- eu usei duas.
  • 1/4 colher (chá) de cominho
Corte o tofu em fatias como as da foto e pressione levemente com papel toalha pra tirar o excesso de água. Misture os ingredientes do molho numa tigela pequena. Ponha o tofu num saco plástico ziplock (aquele com um ziperzinho que fecha o saco) tamanho grande, adicione o molho e vire cuidadosamente pra que o molho cubra tudo. Deixe na messa da cozinha marinando por pelo menos uma hora, virando o saco de vez em quando. Já que eu estava de bobeira lendo, marquei o reloginho da cozinha pra dar o alarme, e virei o saco plástico a cada 15 minutos.

Depois de marinar o tofu, você pode grelhá-lo numa grelha elétrica, tipo George Foreman, ou na parte mais baixa do forno, que foi como fizemos. Coloque o tofu numa fôrma e ponha na grelha por 10 minutos. Vire um por um com cuidado e volte à grelha por mais 5 minutos. Antes de retirá-los, coloque o resto do molho de marinar por cima e volte ao forno até que estejam dourados dos dois lados. Fique de olho, isso leva uns 5-8 minutos.

Aspargos salteados:
  • 2 xícaras de aspargos cortados em pedaços médios (corte a ponta mais grossa e descarte)
  • 2 colheres (sopa) de azeite de oliva
  • 1 colher (chá) de óleo de gergelim
  • 1 xícara de cebola picada
  • 2 colheres (sopa) de molho de soja (shoyu ou tamari)
  • Sal e pimenta-do-reino
Salteie numa frigideira grande todos os ingredientes juntos e vá misturando até que o aspargo esteja macio.

Cole Slaw

A receita básica de cole slaw, a saladinha americana famosa que acompanha todo burguer com fritas em qualquer lanchonete daqui, é fácil. A versão vegana é:
  • 1/3 xícara de maionese vegana (a gente usa Vegenaise)
  • 3 colheres (chá) de vinagre branco (eu usei vinagre de arroz)
  • 1 colher (chá) de açúcar mascavo ou demerara (eu tenho usado agave nectar)
  • 2 colheres (sopa) de leite de soja (do tipo original, sem sabor)
  • Pitada de sal e pimenta
  • 1 repolho verde, picado
  • 3 cenouras raladas
Misture bem numa tigela a maionese vegana, o vinagre, o leite de soja, o açúcar, sal e pimenta. Adicione a cenoura e o repolho e misture tudo com cuidado. Deixe refrescar na geladeira por uma meia hora.

Servimos tudo com arroz. A gente faz muito arroz integral e às vezes arroz selvagem, mas este é um mix dos dois que compramos, e vem praticamente pronto, o tempo de cozimento é rápido.

Bom apetite!

domingo, 20 de julho de 2008

Animais para consumo



Se você não é vegano/a, aqui está um video mostrando o que vai no seu prato. Por favor assista. Seja responsável pelo que você come. Não é justo para os animais, que algumas pessoas que "não conseguem assistir" ou "não querem ouvir sobre isso", continuem a participar dessa indústria do mal. Assista, o video é curtinho (e não há imagens fortes em movimento, apenas fotos e texto sobre direitos animais), e a partir daí comece a pensar e decidir. Comece a planejar e agir. Mudar o que ocorre nesse mundo começa por você. Por amor, assista, pense, mude.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Salada de verão

Nesse calorão, só comendo muitas saladinhas frescas, viu... Essa foi só misturar folhas verdes com cebola picada, cenoura fatiada fininho, feijão preto, feijão roxo e grão-de-bico. Por cima, óleo de linhaça, sal e pimenta-do-reino.

Happy (vegan) Friday!

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Feira livre - Farmers Market

Visita semanal ao Farmers Market aqui do bairro. Ainda vou falar muito sobre isso, já que as feiras livres aqui em Nova York, começam na primavera e seguem até o outono, com tudo fresquinho e barato, na maioria orgânico, direto do próprio agricultor.

1- Baby bok Choy (mini couve chinesa)
2- Scallions (cebolinha)
3- Radishes (rabanetes)
4- Baby arugula (mini-rúcula)
5- Pão integral caseiro de farinha spelt (spelt é um parente próximo do trigo)
6- Collard greens (couve)
7- Basil (manjericão, fresco)
8- Squash & Zuchini (abobrinha amarela & verde)

Agora é só usar a criatividade e mandar brasa nas comidinhas saborosas. Feiras livres são o paraíso dos veganos...

segunda-feira, 14 de julho de 2008

10 Respostas para: "De onde você tira a sua proteína?"

Eu estava navegando por aí, lendo meus blogs veganos favoritos, e deparei com esse post divertido e informativo do Vegan Soapbox. A versão é minha.

10 respostas para: "De onde você tira a sua proteína?"


Se você segue uma dieta vegana, já deve ter ouvido a famosa pergunta "mas de onde você tira a sua proteína?" um zilhão de vezes.

Há várias maneiras de responder a quem pergunta isso. Aqui vão algumas coisas que você pode dizer a qualquer um que duvide da sua dieta fazendo uma pergunta especificamente sobre proteínas:

1. Das plantas.
2. Da mercearia.
3. Do mesmo lugar que você. Eu tiro minha proteína da comida.
4. Eu tiro minha proteína de vários alimentos veganos, como feijão, castanhas, arroz, quínoa, tofu, algas marinhas e outras comidinhas veganas deliciosas.
5. Todos os alimentos contêm aminoácidos que o nosso corpo transforma em proteína. Cenoura, aipo, batata, maçã e outros alimentos contêm aminoácidos. Nós nem precisamos nos restringir às castanhas, sementes e feijões. E certamente não precisamos de produtos de origem animal pra obter proteína suficiente.
6. Eu não me preocupo com isso, já que como uma grande variedade de alimentos veganos completos e saudáveis. Por que VOCÊ se preocupa com a minha ingestão de proteína.
7. De onde você tira suas fibras? Seus antioxidantes? Seu beta-caroteno e sua vitamina C?
8. Bom, já que uma dieta humana apropriada requer só 10% de proteína, não é tão difícil conseguir o suficiente de uma dieta vegana.
9. As fontes animais de proteína são na verdade prejudiciais à saúde humana. As fontes vegetais são melhores. Então, eu prefiro conseguir a minha através dos vegetais.
10. Sabe aquela espuma na sua cerveja? Aquilo é proteína. Tudo tem proteína. Então, não se preocupe comigo e minha dieta vegana. Eu consigo proteína suficiente. Saúde!

sábado, 12 de julho de 2008

Salada de batatas vegana

Voltei cheia de inspiração e com as baterias recarregadas pelo sol escaldante do deserto do Arizona. E já trago uma receita refrescante pra contrabalançar: a Salada de Batatas "Prospect Park" do livro Veganomicon. A receita é simples e o resultado eu nem vou descrever- faça você e diga o que achou. :) Clique na foto pra ficar com água na boca.

Ingredientes: 2,5 quilos de batatas descascadas e cortadas em pedaços pequenos (nós deixamos a casca); 1 pepino fatiado (não tínhamos pepino, usamos aipo); 1 xícara de Vegenaise (maionese vegana); 1/4 de xícara de mostarda Dijon; 1/4 de xícara de azeite de oliva; 1/3 de xícara de vinagre branco; 2 colheres (sopa) de açúcar (pode ser mascavo ou demerara); 1 colher (sopa) de endro (ou aneto), aqui chamado de dill (a receita pede endro seco, mas nós tínhamos endro fresco, que é MUITO melhor); 1 colher (chá) de turmérico ou coloral; sal e pimenta; 1 cenoura ralada. Nós também usamos cebola (que não consta da receita): 1 xícara de cebola picada.

Se você comprou batatas pequenas, basta cortá-las ao meio. Se são médias, corte-as em três pedaços. Coloque-as numa panela bem grande e encha de água até cobri-las. Deixe ferver por uns 15 minutos. Quando puder furá-las com um garfo (mas sem deixá-las cozinhar demais, despedaçando fácil) estão prontas. Enquanto isso, prepare o molho: numa tigela bem grande (onde você vai adicionar as batatas depois de cozidas), misture a maionese vegana, mostarda, azeite de oliva, açúcar, vinagre, endro, turmérico, sal e pimenta. Adicione o pepino (neste caso, aipo), misture mais e ponha a panela na geladeira enquanto as batatas cozinham.

Quando as batatas estiverem prontas, escorra a água e passe-as em água corrente fria. Deixe-as esfriar um pouco. Adicione as batatas ao molho que estava na geladeira e use uma colher de pau pra misturar tudo muito bem. Agora é hora de acrescentar a cenoura ralada. A cenoura é um dos ingredientes principais dessa salada. Não deixe de usá-la. Ela vai acrescentar o sabor doce e não deve ser cortada em rodelas, mas sim ralada, como na foto. Experimente pra ver se está bom de sal e pimenta e leve tudo à geladeira por pelo menos uns 20 minutos.

Deliciosa, refrescante e a melhor parte: sem NENHUM ingrediente animal. Você se delicia nesse verão e os animais agradecem. Go vegan!

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Vacation

Saindo de férias pra dar uma derretida no deserto. Volto logo mais...

I'm leaving for the desert, just to melt a little bit. :) Will be back...

Selinho de qualidade!

Oba! O brazil nut acaba de ganhar outro selinho! Este veio da Dani, de quem eu sou fã e tive a oportunidade e o prazer de conhecer pessoalmente e bater um longo papo delícia durante um jantarzinho vegano aqui em Nova York. A Dani é uma jornalista de mão cheia. Contando detalhes de suas aventuras tanto no Brasil quanto aqui nos EUA, ela nos inspira mostrando em cada post que é possível correr atrás dos sonhos e escrever o seu próprio destino.

Obrigada, Dani!

terça-feira, 1 de julho de 2008

Post de aniversário

6 meses de veganismo! Quero comemorar e muito! Preciso dividir a alegria que eu sinto e dizer que essa foi uma das melhores decisões que tomei na minha vida (e uma das mais fáceis, também)! Dia 1° de janeiro deste ano eu conto como o dia oficial em que comecei conscientemente a ser 100% vegetariana, ou vegana.

Por 15 anos mais ou menos, até 2005, eu comia a carne de peixes e frutos do mar. Eu não me incomodava muito em comprar sapatos ou cintos de couro e adorava mel. Já pensava no assunto e lia bastante à respeito de direitos animais, testes desnecessários em animais feitos pelas indústrias farmacêuticas, de cosméticos e de materiais de limpeza... além disso, sempre me interessei em saber de onde vinha a comida no meu prato e acabei aprendendo sobre a ligação direta entre a fome nos países considerados do terceiro mundo e as indústrias da carne e da pesca.

A inquietação foi aumentando e eu fui me preparando. À partir de 2005, mudei minha dieta para ovo-lacto-vegetariana e passei a não comprar mais nenhum produto que pudesse ter pele ou couro animal. No finalzinho do ano passado, eu já não consumia laticínios, havia cortado o mel e a gelatina da minha dieta e fui diminuindo gradativamente o consumo de ovos como preparação final. No banheiro aqui de casa já não entravam mais xampus, condicionadores, loções, desodorantes, perfumes ou maquiagem de marcas que testam em animais.

De 1° de janeiro de 2008 pra cá, tudo mudou. Tentar colocar em palavras não é fácil porque muito disso é sutil, não aparece para os outros. O que aparece é o que está no corpo, no fato de que eu me sinto mais bonita do que nunca. No fato de que a minha saúde melhorou e minha energia aumentou em 100%. O que não aparece, e o que é muito difícil de expor em palavras, é o orgulho de estar ajudando o planeta. A sensação de estar contribuindo concretamente e fazendo a minha parte para um mundo melhor. "Ser a mudança que eu quero ver no mundo" se mostra claramente através do veganismo: em cada escolha que eu faço de não participar dos horrores que são praticados contra os indefesos animais em nome do prazer e da beleza, e contra a fome que assola o planeta. Contra a violência e pelo amor.

A cada refeição que eu faço e a cada compra de um cinto, uma carteira, uma bolsa, um par de sapatos... eu vivo o exemplo, confirmo com uma alegria enorme no coração a decisão que tomei, e percebo que nunca poderia ter feito diferente. O único arrependimento é não ter me tornado vegana antes. Podia ter feito isso há tanto tempo. É tão mais fácil do que parece, do que dizem, do que se pensa. Basta tentar. Só isso.

Go vegan!

Posts similares

Related Posts with Thumbnails